Como evitar a hiperconexão

Social Media
Fonte: Pixabay

Nos últimos anos, as pessoas estão se acostumando cada vez mais a fazerem tudo em seus smartphones. Seja para conversar com os amigos, apostar em jogos de cassino ou navegar pelas redes sociais, a necessidade de se manter o tempo todo conectado está começando a causar efeitos adversos e causando preocupação, especialmente para os pais que precisam controlar o acesso de seus filhos à internet.

O que é hiperconexão?

Também conhecida pelos termos “digibesitas” e “iDisorder” no exterior, a hiperconexão é o impulso de permanecer sempre conectado à internet e a imensa dificuldade de passar algum tempo completamente offline das redes sociais. O fato das pessoas estudarem e trabalharem pela internet é um dos fatores que vêm contribuindo para que um número surpreendentemente alto de pessoas apresentem sinais de hiperconexão.

Os mais afetados por essa condição é a chamada geração dos millennials, que são os jovens que estão atualmente na faixa dos 20 e 30 anos, e os mais ativos na internet e nas redes sociais. De acordo com psicólogos e especialistas no assunto, a hiperconexão começa a acontecer quando o indivíduo passa pelo menos metade do seu dia conectado, seja através do computador, celular ou tablet. Em casos mais extremos, algumas pessoas chegam a permanecer até 20 horas ao dia imersas no meio digital.

Por que a hiperconexão é perigosa?

Cellphone addiction
Fonte: Pixabay

Entre as principais consequências da hiperconexão para o cotidiano de quem desenvolve essa compulsão por estar conectado, existem pessoas que perdem o trabalho, adolescentes que se prejudicam na escola por falta de atenção, e até mesmo relacionamentos afetivos e familiares que se desgastam por essa razão.

Além disso, a saúde física e emocional também é abalada pela hiperconexão. Entre os problemas físicos, os mais comuns são na esfera ortopédica, como dores na coluna e na lombar ou ainda tendinite nas mãos, e também problemas de visão, que levam muitas pessoas a desenvolverem miopia, por exemplo.

Os problemas psicológicos, por sua vez, incluem irritabilidade, depressão e isolamento. As pessoas que extrapolam no tempo em que permanecem conectadas possuem uma tendência maior a se sentirem descontentes com a própria vida, pois passam a compará-la com as supostas vidas perfeitas que as outras pessoas compartilham na internet. Há ainda os sintomas psicossomáticos, como ansiedade e tensão ao ter que se desconectar por motivos inesperados, como queda na energia elétrica ou um aparelho que apresente problemas técnicos.

Como se desintoxicar do meio digital e desenvolver um padrão de conexão mais saudável?

Em primeiro lugar, é importante que as pessoas afetadas pela hiperconexão admitam que estão com problemas e tenham a iniciativa de querer mudar seus hábitos. Dependendo de cada caso, também é fundamental procurar a ajuda de um especialista para conseguir se recuperar dos padrões de comportamento nocivos causados pela hiperconexão. A seguir estão algumas práticas simples que podem ajudar nesse sentido.

– Desabilitar as notificações do celular
Um dos gatilhos que levam as pessoas a checar seus smartphones a cada cinco minutos é a necessidade de conferir as mensagens recebidas e demais notificações do aparelho. Caso seja possível desabilitá-las sem ter prejuízos no trabalho, essa é uma boa forma de alterar esse hábito pouco saudável e começar a conferir o celular de forma menos frequente.

– Manter um cronograma de atividades diárias
Para não correr o risco de deixar o dia passar e não ter feito nada além de permanecer online na internet e nas redes sociais, uma sugestão é manter um cronograma com tudo o que precisa ser feito no dia. Além disso, é interessante praticar o controle de só checar o celular após alguma atividade ter sido concluída, por exemplo.

– Desligar o celular e outros dispositivos eletrônicos antes de dormir
O uso desses aparelhos antes de dormir é um fator que contribui para a insônia e a má qualidade do sono. Com o passar do tempo, sintomas como irritabilidade e ansiedade podem se agravar em pessoas que não estejam descansando de forma devida. Sendo assim, o ideal é desligar esses dispositivos pelo menos trinta minutos antes do horário de ir para cama.

Com o objetivo de evitar a hiperconexão, já existem inclusive alguns aplicativos para o celular que analisam o tempo que o usuário permanece conectado e quais são os aplicativos mais utilizados, como é o caso do Freedom para o sistema iOS, e do Offtime, para aparelhos Android. Entre as funcionalidades desses aplicativos está inclusive a possibilidade de estabelecer limites diários e ainda criar alertas quando esses limites sejam alcançados.

Facebook Addiction
Fonte: Pixabay